Posted by: kohlerortofacial | May 3, 2012

Psicologia ajuda paciente a aderir ao tratamento do zumbido

Apoio psicológico também auxilia a mudar relação entre zumbido e emoções negativas.

Na última sexta-feira (04/05), foi realizada a reunião do Grupo de Informação a Pessoas com Zumbido de Curitiba (GIPZ Curitiba), no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba (PR). A palestra foi proferida pela psicóloga Lesle Maciel, profissional que faz parte da equipe interdisciplinar do GIPZ, e o tema abordado foi sobre os “Aspectos emocionais relacionados ao Zumbido”. “Os pacientes devem saber a importância da psicologia no tratamento do zumbido. Ela pode atuar como suporte, quando a causa é orgânica, ou como tratamento central, quando a causa é psicológica”, explica Lesle.

Para entender a tênue relação entre o zumbido e a parte psicológica de uma pessoa, é necessário conhecer um pouco sobre a emoção. Ao viver uma experiência, o ser humano utiliza seus cinco sentidos – audição, olfato, paladar, tato e visão – para sentí-la e as emoções são as marcas que cada vivência deixa no indivíduo. O sistema límbico controla estes aspectos emocionais e motivacionais do comportamento. “O zumbido é um sintoma fisiológico produzido pelo organismo e cada um produz uma carga afetiva ao ouvir o ruído”, aponta.

Na maioria dos casos o zumbido se manifesta como um sintoma leve, mas em outros pode afetar seriamente a qualidade de vida de uma pessoa, podendo se tornar o principal foco de atenção e preocupação, interferindo no trabalho, na vida cotidiana e causando depressão e outros transtornos mentais. “Ansiedade, insônia, estresse, irritação, falta de concentração, memória e atenção são alguns dos sintomas psicológicos que o paciente pode apresentar e qualquer alteração emocional se reflete no zumbido. A psicologia mostra que o ruído não pode determinar a vida do paciente”, observa.

O afeto é o conjunto de reações que são expressas pela emoção e no caso do zumbido, a carga afetiva normalmente é negativa, com sentimentos como rejeição, raiva e tristeza. Esta ligação do zumbido com emoções negativas aumenta a atenção dada pelo cérebro ao sintoma, como uma forma de alerta, e o paciente percebe ainda mais o barulho. “Situações de estresse, nervosismo, ansiedade e angústia fazem com que a pessoa dê total atenção ao zumbido, aumentando a sua percepção. O indivíduo diz que ele ficou ‘mais alto’, provocando incômodos mais intensos”, ressalta.

A psicologia ajuda a modificar esta relação entre o zumbido e as emoções. Este apoio é fundamental no tratamento, pois os aspectos emocionais negativos pioram a qualidade de vida do paciente. Lesle destaca que é necessário olhar para o problema e administrar a situação, separar cada coisa em seu lugar. “A atuação do psicólogo é essencial para minimizar as emoções negativas relacionadas ao ruído e ajudar a enfrentar as mudanças que o indivíduo terá que se submeter durante o tratamento. Além disso, a psicologia auxilia na aderência ao tratamento, pois as intervenções dão resultado a longo prazo”, acrescenta.

Sandra Regina de Paula, 53 anos, assistiu à palestra pela primeira vez e as orientações a ajudaram a ter outra opinião sobre a psicologia. “Eu sofro com zumbido há dois anos. Ele surgiu repentinamente, achei que ia parar, mas não parou. Agora estou começando a fazer os exames para descobrir a causa e a médica disse para eu participar da reunião. Eu achei que a cura seria mais rápida, fiquei um pouco triste, mas o encontro me ajudou muito e agora vou conversar com a psicóloga, pois sempre rejeitei isso. O que depender de mim para melhorar, eu vou fazer”, conta.

A otorrinolaringologista e otoneulogista Rita de Cássia Cassou Guimarães, coordenadora do grupo, destaca que os pacientes devem compreender que o tratamento visa eliminar as causas do zumbido e trazer qualidade de vida ao paciente. “Não podemos falar que o ruído vai sumir, mas sim assegurar que ele pode ser descartado pelo cérebro e se tornar um barulho insignificante, que não causa incômodos”, enfatiza. A próxima reunião do GIPZ será no dia 01 de junho, com o tema “Principais exames médicos e audiológicos para o diagnóstico do zumbido”.

 

Serviço: Grupo de Informação a Pessoas com Zumbido de Curitiba (GIPZ Curitiba)

Próximo encontro: 01 de junho de 2012

Tema: Principais exames médicos e audiológicos para o diagnóstico do zumbido

Palestrante: Rita de Cássia Cassou Guimarães (otorrinolaringologista e otoneulogista) e Izabella Macedo (fonoaudióloga)

Horário: a partir das 14h

Local: 5º andar anexo B do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná

Agendamento de presença e mais informações: (41) 3225-1665

Entrada livre


Responses

  1. Embora felizmente não ser portadora deste mal, gosto de me informar para ajudar pessoas que precisam, em meu ofício me deparo com pessoas de todas a idades, em meio a conversas, cada um tem sua história. É uma forma de contribuir com a humanidade, ainda que seja restritamente, encaminhar a lugares especializado como esse. Obrigada


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Categories

%d bloggers like this: